PSICOTERAPIA - Perguntas e Respostas

Quando resolvi produzir este trabalho, tinha em mente contribuir para o esclarecimento de algumas dúvidas que as pessoas comumente têm. Na verdade, muitas coisas que acontecem na vida das pessoas têm relações muito próximas.

Mas tudo tem um começo, evidentemente.

Como profissional de Marketing, prestava consultoria em uma empresa do segmento gráfico, e utilizava um método criado e desenvolvido por mim, quando da minha passagem por uma multinacional americana.

O processo constituía em criar uma aproximação maior entre os funcionários de “chão de fábrica” e a diretoria. Para isso era preciso conhecer os problemas enfrentados pelos funcionários que iam desde recursos ferramentais até relações pessoais.

Nessa relação tão próxima e amiga, necessária para encontrar as causas dos problemas da empresa, estava me transformando em um terapeuta, principalmente em relação aos menos privilegiados sócio-econômico-culturalmente. Percebi nesse momento, que era preciso aprender mais. Era preciso conhecer melhor a pessoa humana. Era preciso voltar ao banco universitário.

Conhecer as bases da Psicologia foi de fundamental importância e a paixão pela Psicoterapia veio através de cursos de especialização e simpósios que, cada vez mais, me faziam apaixonado pelo complexo comportamento humano.

Mais tarde, veio o contato com adolescentes, em idade entre 15 e 18 anos. Passei a lecionar em ensino médio e técnico, e isso me forneceu excelente material de trabalho. Pelos conhecimentos adquiridos, não tinha dificuldades em conquistar a atenção e a amizade deles, podendo orientá-los como professor, terapeuta, amigo e muitas vezes pai.

E foi nessa relação de confiança entre mim e meus alunos que comecei a ser procurado por seus pais. Muitos deles queriam entender o que levava seus filhos a terem tanto respeito, admiração e amizade por um professor.

Não havia segredo. Apenas o respeito mútuo, tão importante para o adolescente. Respeito que significava também impor limites, mas, e ao mesmo tempo, dar  responsabilidades e cobrar os resultados depois. Criticar o errado mostrando o certo. Enaltecer os acertos e ser sempre justo nos critérios de avaliação. 

Quer saber mais?

www.clubedeautores.com.br/book/37419--Perguntas_que_voce_gostaria_de_fazer